Muffins integrais de queijo creme com framboesas e pepitas de chocolate

Não é novidade para ninguém que, se o Auto-Denominado Estado Islâmico declarasse guerra a todos os blogs de culinária do mundo e eu tivesse um desejo para gastar, o Ambitious Kitchen é o que salvaria. Com isso dito, e tendo em conta que ultimamente cozinho tão pouco, sempre que me apetece alguma coisa doce caseira, é mesmo lá que vou para me inspirar. Este fim-de-semana, para comemorar a compra do meu lindinho novo logo no dia de lançamento (<3), e também porque tinha formas igualmente novas e igualmente lindas para usar, e também porque ando para usar frutos vermelhos em receitas há imenso tempo, e também porque simplesmente gosto de gordices, fiquei presa nesta receita.

Tendo em conta o último ponto, não escolhi bem. Estes muffins, diferentes dos da Monique apenas pela substituição do leite de amêndoa por leite normal, conseguem não ultrapassar as 98 calorias por unidade (!!!) — completamente absurdo, eu sei. A verdade, no entanto, é que, se gostarem de coisas muito doces, não aconselho esta receita tal como a vêem abaixo: sugiro que coloquem mais açúcar, ou escolham frutos vermelhos e/ou tipos de chocolate comprovadamente docinhos (morangos, chocolate branco; o mundo é a vossa ostra). É que o resultado final, aqui, é ligeiramente ácido, e definitivamente pouco doce — eu adorei assim, mas, assumindo e aceitando a diversidade do paladar humano, fica o aviso. Bom, com ou sem ajustes, é definitivamente algo a experimentar: e olhem só estas cores lindas de Primavera! Quem consegue resistir? Uma coisa é certa: no meu grupo de amigos, ninguém!

FICHA TÉCNICA

  • Tempo: 25 min (preparação) + 15 min (forno).
  • Dificuldade: Média-baixa.
  • Porções: 12 muffins.
  • Calorias (total): 1170 kcal.
  • Calorias (1 muffin): 98 kcal.

Ler o resto da receita >

Muffins integrais saudáveis de abóbora e banana com crumble de noz

Hoje está planeada uma sessão de cinema na casa de uma muito boa, e muito saudavelmente gulosa, amiga minha. Assim — e embora, hoje em dia, ao fim de uma semana de trabalho geralmente me apeteça mais enfiar utensílios afiados de cozinha nos olhos do que dar-lhes a sua função primária —, esta foi uma gloriosa sexta-feira em que, depois de exactamente doze minutos no consultório de uma dentista em quem também não seriam mal empregues uma katanazita aqui e ali, corri para casa para a coisa que logicamente se segue a uma limpeza odontológica: cozinhar doces.

O plano era esta receita do ano passado do Ambitious Kitchen, muito potencialmente o blog de culinária mais fixe de sempre (sinto que a quantidade de vezes que digo isto me começa a tirar alguma credibilidade, mas juro que é sempre sincero!), de maneira a, entre outras coisas, tirar uma lata de puré de abóbora que tenho guardada há literalmente meio ano da sua miséria. De todas as receitas que encontrei com abóbora, esta foi a escolhida por várias razões: 1) a combinação de ingredientes é incrivelmente saudável — zero açúcares refinados, uma amostra de azeite como única gordura usada, farinha integral; 2) cada muffin destes, mesmo com o crumble, tem cerca de 140 kcal!, o que é tipo, wat, vou comer mil; 3) muffins; 4) muffins; 5) muffins. As nozes de macadâmia foram substituídas por boas velhas nozes de nogueira, porque em Portugal ninguém recebe para comprar nozes de macadâmia; troquei o xarope de ácer por mel, porque adoro mel e não tenho tempo para ir a sítios fixes às compras; e o leite de amêndoa passou a simples leite de vaca magro, porque seriamente não quero saber. No entanto, aí têm os ingredientes originais, no caso de quererem partir numa rampage vegan! (Além disso, se não tiverem as especiarias todas — eu só tenho porque uso abóbora em doces com alguma frequência —, podem tentar usar só canela, numa quantidade maior: não experimentei, mas parece-me que resultaria.)

Seja como for, esta minha adaptação resultou fantasticamente: muffins muito saborosos, com o crumble açucarado e crocante a conjugar na perfeição com a massa consistente e pouco doce, e que não deixam qualquer culpa — porque, sendo sincera, estas quantidades serviram-me de massa para uns bons treze muffins, em vez de doze: o que, se ainda se lembrarem de matemática básica, os torna ainda menos calóricos do que as contas, já de si muito abonatórias, que lhes dão as tais 140 kcal por unidade!

FICHA TÉCNICA

  • Tempo: 30 min (preparação) + 20 min (forno).
  • Dificuldade: Média-baixa.
  • Porções: 12 muffins.
  • Calorias (total): 1460 (sem crumble); 1670 kcal (com crumble).
  • Calorias (1 muffin): 122 kcal (sem crumble); 139 kcal (com crumble).

Ler o resto da receita >

Muffins integrais de maçã e canela com crumble de aveia

Como tenho a certeza de que já mencionei aqui no blog pelo menos meia dúzia de vezes (ou duas, ou dez, que esta memória já teve melhores dias), até há relativamente pouco tempo, a única pessoa que usava a nossa cozinha era mesmo o meu colega de casa, que todos os dias prepara refeições deliciosas para nós. (Não, não é o meu namorado, “e eu é que tenho vergonha de admitir”. Não, também não é o “marido da doutora”, como uma senhora adorável indagou à entrada do prédio, no outro dia. É mesmo só um amigo, e a pessoa com quem eu coabito. O namorado existe, de facto, mas tenho quase a certeza de que tem outra cara — e garanto que não tenho qualquer vergonha dele!)

Este meu talentoso parceiro de habitação tem muito poucos contactos na área de Lisboa, visto que foi apenas uma oferta de emprego que o trouxe para sul — o que, pensei eu lá para Setembro, potencialmente tornaria o seu aniversário, no mês seguinte, um bocado tristonho. Para alegrar um pouco a ocasião (ou o estômago, que é a mesma coisa, porque o estômago é tudo), ocorreu-me, na madrugada desse feliz dia Balança, preparar qualquer coisa doce que ele pudesse, inclusive, levar para o trabalho: e foi assim que, às quatro da manhã de um dia incógnito de Outubro, dei por mim na cozinha, a seguir à risca (…OK, confesso, a cortar no açúcar e a substituir o óleo por manteiga magra…) uma receita deliciosa de muffins de maçã com crumble de aveia do livro da Joana Macieira — no maior silêncio possível.

O que aconteceu no dia seguinte foi algo que, bem vistas as coisas, não sei se é de rir ou chorar. O meu bem intencionado companheiro levou o conjunto de queques para o local de trabalho, de facto — até aí, tudo bem. No entanto, não se adiantou nem se precaveu… e acabou por não sobrar nada para ele, a não ser pedidos desesperados de partilha da receita. Como pessoa adiantada e precavida que eu sou, claro que tinha um extra em casa (reservado, já agora, para o namorado — o verdadeiro!); após conversa muito breve com o dono originalmente pretendido, o exemplar foi carinhosamente concedido a quem de direito, e lá se salvou o inusitado dia.

A opinião sobre estes muffins deliciosos, altos e fofos, com cobertura estaladiça, foi unânime: os melhores que já fiz (isto vai sendo dito, eu sei: mas hey, pelas leis da lógica, a vez mais recente é sempre a mais válida). O aniversariante, após a merecida e adiada prova, disse que esta era, finalmente, uma receita a que nada podia ser apontado. As calorias, uma coisa insignificante — 128 sem o crumble, 167 com. Chega para vos fazer mexer?

FICHA TÉCNICA

  • Tempo: 30 min (preparação) + 20 min (forno).
  • Dificuldade: Média-baixa.
  • Porções: 9 muffins.
  • Calorias (total): 1150 (sem crumble); 1500 kcal (com crumble).
  • Calorias (1 muffin): 128 kcal (sem crumble); 167 kcal (com crumble).

Ler o resto da receita >

Muffins de atum

Já aqui disse que, se pudesse, a minha alimentação consistiria quase exclusivamente de coisas que deixam completamente de fora os salgados. Tendo em conta a percentagem de receitas doces que tenho vindo a partilhar, ninguém diria que não sou capaz de cumprir a ameaça — mas a verdade improvável é que, de vez em quando, também faço “comida a sério”, e que pelo menos alguma dela até me sabe mesmo, mesmo bem.

Ora, parece também que, afinal, querer cozinhar qualquer coisa parecida com uma refeição não implica abdicar do vício de fazer muffins. Descobri isto no livro da Joana Macieira, Queques que Enchem a Alma, que encomendei recentemente (e do qual tentarei fazer uma apreciação mais extensa aqui no blog, pelo que, por enquanto, não me irei esticar), e de onde saiu esta receita, com todo o sabor do atum e da cebola deliciosamente cortado pelo mais pequeno travo a açúcar, numa combinação inusitada cuja funcionalidade me surpreendeu mais do que esperava.

Quando disse à minha mãe que tinha feito estes queques, ela contou-me que, quando eu era pequena, e esquisitinha como eu era, ela costumava fazer pataniscas de atum só para mim. Segundo ela, eu adorava: afirmação da qual — tendo em conta que esta receita fica muito parecida com pataniscas, e que, de facto, eu a adorei — não me sinto minimamente tentada a duvidar.

E, afinal de contas, quem não gosta de atum, certo? Da minha parte, poderia até incluí-lo numa futura revisão da curta lista de alimentos dos quais seria capaz de viver exclusivamente, se houvesse uma qualquer tragédia (natural ou não) — e, na verdade, vá, mesmo que não houvesse. Com algumas alterações inevitáveis da minha parte, estes muffins ficaram a pesar o módico valor de 93 calorias cada (sim, mesmo!), o que, na minha opinião, os torna numa excelente alternativa para uma refeição ligeira. Acompanhados de uma boa salada, então, dão um cenário de alimentação diversificada perfeitamente aceitável!

FICHA TÉCNICA

  • Tempo: 25 min (preparação) + 20 min (forno).
  • Dificuldade: Baixa.
  • Porções: 9 muffins.
  • Calorias (total): 840 kcal.
  • Calorias (1 muffin): 93 kcal.

Ler o resto da receita >

Muffins integrais saudáveis de chocolate e manteiga de amendoim

Como mencionei no meu último post, isto de controlar o consumo da manteiga de amendoim, para mim, é uma coisa muito complicada. Assim, a única forma que até agora encontrei de evitar comer um frasco inteiro à colher num só dia é mesmo… bom, fazer muitas receitas com manteiga de amendoim. E dividir os resultados, claro. Afinal de contas, se não o fizesse, o objectivo estaria perdido, certo?

Estando eu a transformar-me numa crazy muffin lady, e após o sucesso estrondoso de outro tipo relatado na publicação anterior, a primeira coisa que me ocorreu para gastar o produto restante foi, naturalmente, muffins. Portanto, e enquanto ia limpando a baba abundante que me escorria pelo queixo, pus-me a pesquisar receitas destes maravilhosos bolinhos que incluíssem manteiga de amendoim na sua confecção. Fiz pelo menos duas diferentes, e cheguei a levar a maioria de uma das fornadas para o trabalho — a recepção, de ambas as vezes, foi boa, mas, sendo totalmente franca, nenhuma das receitas me encheu as medidas. Fiquei desiludida; o sabor a amendoim perdia-se na massa, e os muffins acabavam por ser do que quer que fosse mais que a receita pedia.

Foi então — já convencida de que, por mais divino que globalmente fosse, este não era, simplesmente, o melhor ingrediente para queques — que parti para aquela que decidi que seria a minha última tentativa: uma receita de muffins saudáveis de cacau e manteiga de amendoim que a Joana do Palavras que Enchem a Barriga adaptou da original do Sally’s Baking Addiction (duas referências de um talento gastronómico ridículo, portanto). O que me chamou a atenção foi o facto de, nestes muffins, a manteiga de amendoim ser colocada no final, como um topping, ao invés de na constituição da própria massa: calculei que, assim, o sabor ficasse bem mais intensificado. Além disso, “cacau” e “saudável”: o que haveria a pedir mais?

Também eu fiz as minhas alterações: não tinha cacau magro em casa, pelo que usei antes o meu chocolate em pó preferido, da Pantagruel (que, na verdade, na maioria das vezes, como gulosa que sou, me sabe melhor do que o cacau); optei pelos meus iogurtes naturais magros de eleição; a manteiga de amendoim foi com pedaços, porque a prefiro infinitamente assim; troquei o açúcar branco por amarelo, e reduzi ligeiramente a quantidade — e, claro, utilizei apenas farinha integral, que genuinamente adoro em quaisquer muffins. Ou seja, resumindo, pode dizer-se que tornei a receita saudável ainda mais saudável — mas, claro, adaptando-a aos meus gostos pessoais, e fazendo por não prejudicar o sabor.

Eu diria que a foto fala por si, mas, se não, posso dizer escrever que estes muffins me souberam pela vida. Talvez, falando o mais objectiva e universalmente possível, não sejam os melhores muffins que já fiz (nesse ponto, e tendo em conta as reacções de todas as pessoas, inclino-me para os de pêra e canela), mas, no que diz respeito aos meus gostos pessoais, é provável que estes sejam os meus preferidos. O sabor intenso da manteiga de amendoim casa divinamente com o das pepitas de chocolate negro derretidas, e a textura é tão fofinha e húmida, mas tão fofinha e húmida, que… bom, de uma só vez, e ainda mornos, comi três dos seis que fiz para teste. Sim. Na manhã seguinte, experimentei um frio, e tenho a dizer que o efeito foi igualmente magnífico. Fiquei tão maravilhada que tive de congelar um para o Sandro, como namorada extremosa que sou. Para vocês, não posso congelar; mas, no mínimo, posso partilhar o segredo. A parte absurda? Apenas 143 kcal por muffins, sem quaisquer cortes! E não admira: sem gorduras, gemas de ovo ou açúcares brancos, estes bolos são mesmo, mesmo magros.

FICHA TÉCNICA

  • Tempo: 20 min (preparação) + 20 min (forno).
  • Dificuldade: Baixa.
  • Porções: 12 muffins.
  • Calorias (total): 1720 kcal.
  • Calorias (1 muffin): 143 kcal.

Ler o resto da receita >